CONTEÚDO SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR
E A TRIBUTAÇÃO INTERNACIONAL
Buscar em todo o site:

Notícias | Pauta do comércio exterior brasileiro: sete commodities concentram 50% das exportações

11/02/2019

Sete commodities responderam por metade do valor das exportações brasileiras do valor das exportações brasileiras em 2018, o percentual mais alto desde os 51,4% registrado em 2011. No ano passado, as vendas do complexo soja, ,óleos brutos de petróleo, minério de ferro, complexo carnes, celulose, aúcar e café renderam US$ 120,3 bilhões ao país, o equivalente a 50,2% do total exportado.



Houve em 2018 um forte aumento das exportações de soja, petróleo e celulose, produtos que ganharam espaço da pauta com alta simultânea de preços e volumes negociados com o exterior, num ano de crescimento ainda razoavelmente expressivo da economia global. Ao mesmo tempo, as vendas de produtos manufaturados mostraram pouco dinamismo, um reflexo do impacto da crise da Argentina - grande compradora desses bens - e da crônica falta de competitividade da indústria.



Em 2018, um dos grandes destaques foi o aumento das vendas do complexo soja (grão, farelo e óleo). Em valor, elas subiram 29%, para US$ 40,9 bilhões. As exportações de soja em grão subiram 22,7% em volume e 5,3% em preços. A fatia do complexo soja no total exportado passou de 14,57% em 2017 para um pouco mais de 17% em 2018.



A alta das vendas de óleos brutos de petróleo foi ainda mais significativa. Atingiu 51%, para US$ 25,1 bilhões. Com isso, a participação do produto na pauta pulou de 7,64% em 2017 para 10,48% em 2018. O volume exportado cresceu 12,4% e os preços, 34,4%.



As vendas de celulose também ganharam espaço nas exportações, de 2,91% em 2017 para 3,48% em 2018. O bom desempenho se deveu àalta de 19% dos preços e de 10,4% das quantidades exportadas.



O minério de ferro fechou 2018 no terceiro posto, respondendo por 8,43% das exportações, um pouco menos que os 8,82% do ano anterior.



O açúcar e o café, por sua vez, perderam espaço na pauta em 2018, num ano marcado pela queda dos preços de exportação desses produtos, devido à grande oferda no mercado internacional.



O complexo carnes também viu sua participação recuar. Houve redução das exportações de frango, por causa das restrições da União Europeia e da Arábia Saudita, e de carne suína, nesse caso em virtude do embargo da Rússia.



A fatia de produtos primários na pauta passa a ganhar mais espaço especialmente a parir de meados da década passada. Houve então um salto dos preços de commodities, na esteira do fortíssimo crescimento da China. A participação das sete commodities no total vendido ao exterior pulou de 25,3% em 2000 para 38,7% em 2008, atingingo 51,4% em 2011. Desde então, nunca ficou abaixo de 45%.



Fonte: Valor Econômico